Finalidade

Blog de divulgação de assuntos geográficos, políticos, acadêmicos, curiosos...

domingo, 10 de maio de 2015

Resenha do Documentário Terra: Um Planeta Fascinante é realizado pela estudante Alanna Garla (Curso de Biotecnologia do IFPR - Câmpus Londrina)

A estudante Alanna Garla redigiu uma resenha sobre documentário que foi indicado em uma intervenção no Curso de Biotecnologia Integrado ao Ensino Médio do IFPR Câmpus Londrina. A resenha serve de base para que os demais estudantes possam conhecer o documentário e, como ela, apreciar, pois permite grande aprendizagem sobre a formação do nosso Planeta. Agradeço imensamente a contribuição!

Abaixo da resenha, disponibilizamos o link para acessar os documentários sobre nosso planeta: 

TERRA UM PLANETA FASCINANTE PARTE 1

Durante 4 bilhões e meio de anos, a Terra sofreu explosões , incêndios e impactos. Esses eventos esculpiram o nosso planeta.
Não existe outro planeta como a Terra, sua superfície muda constantemente, destruindo evidencias do passado. Mas se soubermos aonde procurar, as pistas ainda estarão lá.
O atlântico deve a sua existência ao tumulto geológico ocorrido a 135 milhões de anos atrás. O supercontinente,  começou a rachar e as águas passaram pelas fendas formando uma nova bacia oceânica.
Bacias oceânicas abrem e fecham,  o mar  cobre os continentes e depois regride. Cerca de 18 mil meteoritos atingem a Terra anualmente e cada um trás pistas da formação do planeta.
O planeta é um aglomerado de detritos. Placas tectônicas são lençóis da crosta terrestre em movimento constante, essa movimentação faz com que as substâncias do núcleo saiam  pelos vulcões.
Um asteroide maior que Marte chocou-se contra a Terra, fazendo voar a maior parte da superfície, os destroços, atraídos pela força gravitacional formaram um disco protolunar, uma nova lua cresceu rapidamente.
A Terra era vermelha, sem oxigênio e vida, na sua formação foi bombardeada por corpos celestes. Após algum tempo, começou a esfriar, a atmosfera era densa, havia vapor.
Ao longo do tempo, as tempestades torrenciais produziram as maiores enchentes que o planeta já conheceu. Um infindável oceano formou-se; estima-se que foi nesta época que a vida surgiu.  Existe uma teoria que a água chegou do espaço trazida por cometas de gelo.
Quando a atmosfera ficou saturada, começou a chover. Nesta época existia bactérias que aguentavam grandes temperaturas e pressões, o oxigênio foi formado a partir de seres que realizavam a fotossíntese. Os estromatólitos, chamados assim devido as condições de sobrevivência.
As eras glaciais afetaram e formaram as paisagens. A última extinção em massa foi a 35 milhões de anos, o nosso sistema solar está em uma viajem na Via Láctea, a cada 30 milhões de anos, passamos pelas partes mais densas. Estamos nesta parte mais densa e a próxima extinção em massa pode nos incluir.



Alanna Garla
Estudante do 1º Ano do Curso de Biotecnologia Integrado ao Ensino Médio do IFPR - Câmpus Londrina

Para assistir a esse documentário e a outros, clique aqui


COMPARTILHE EM SUA REDE

Ricardo Luiz Töws

Doutor em Geografia pelo PGE-UEM - Programa de Pós-Graduação em Geografia, membro do GEUR - Grupo de Estudos Urbanos e do Observatório das Metrópoles - Núcleo R.M.M. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR Campus Avançado Astorga).
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

PUBLICIDADE

Postagens populares

BIBLIOTECAS

Copyright @ 2013 Prof. Ricardo Töws . Designed by Templateism | Love for The Globe Press