Finalidade

Blog de divulgação de assuntos geográficos, políticos, acadêmicos, curiosos...

Últimas postagens

Ver mais artigos

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ABRE PROCESSO SELETIVO PARA MESTRADO E DOUTORADO EM GEOGRAFIA! CONFIRA

O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO), do Instituto de Estudo Socioambientais (IESA), no uso de suas atribuições torna público o edital do Processo Seletivo 2016.





Portaria das Comissões:


Comissão Recursal 2016.

Fonte e Mais Informações: UFG

Feliz 2016! Nosso Planeta completou mais um movimento de translação : você sabe o que isso significa?

Chegamos no final de 2015 e iniciamos 2016 com muitos votos e desejos, além de projetos e perspectivas (agradeço a todos que recebi e desejo a todos um grande 2016), porém,  do ponto de vista científico, o que sabemos é que nosso planeta completou mais um movimento de translação!  Assim sendo, resgatei um artigo para ajudar a galerinha que está de férias e quer conhecer um pouco da história e da geografia, ou seja, da importância desse movimento para nossas vidas. Existem inúmeros materiais complementares sobre o assunto, inclusive uma apostila do INPE muito legal, que pode ser acessada aqui, mas hoje deixo essa reflexão do Prof. Oscar Negrão,  da Universidade de Campinas: 


MOVIMENTOS DA TERRA E CLIMA 

Oscar B. M. Negrão1

 É voz corrente que os professores de Ciências têm dificuldade para trabalhar esse tema com seus alunos. As causas dessa dificuldade são ponderáveis, destacando-se duas: a complexidade do tema e a variedade de equívocos e até erros grosseiros cometidos pelos livros didáticos ao tratar do assunto. Além disso, a compreensão dos movimentos da Terra e de suas conseqüências envolve a visão espacial de sólidos geométricos (esferas, no caso), a escala espacial e a composição de movimentos, todas noções ou habilidades usualmente não construídas ou mal construídas nos diferentes níveis de ensino. As possíveis abordagens, porém, não se limitam ao fornecimento de conteúdos específicos aos professores. A estreita vinculação do tema com a vivência do aluno (horário, calendário, sucessão dos dias e noites, estações do ano) torna-o dos mais adequados para o estabelecimento de relações entre espaço, tempo e transformações naturais. Mais do que isso, suas implicações o situam como possível ponto de partida e contínua referência ao longo de todo o curso de Ciências. Associados à forma da Terra, os movimentos de rotação e translação são responsáveis pela distribuição de energia, principalmente sob forma de luz e calor, na superfície do planeta. Tal distribuição, por sua vez, determina a temperatura, as correntes atmosféricas (ventos), a evaporação e a precipitação no mundo todo. Portanto, determina o padrão climático mundial, embora regionalmente o clima seja também influenciado por outros fatores. A partir daí, pode-se estudar os seres vivos, a formação dos solos, a erosão e a formação de rochas sedimentares por causa de suas vinculações com o clima. Note-se que com essa fundamentação o professor poderá inserir no contexto planetário o estudo de seu ambiente regional. 

Forma da órbita da Terra 

Em oposição a Ptolomeu e aos dogmas da igreja, Nicolau Copérnico (1473-1543) propôs a teoria heliocêntrica, segundo a qual a Terra e os demais planetas giram em órbitas circulares em torno do Sol. Posteriormente Kepler (1571-1630), apoiando-se na obra de Ticho Brahe, que continha observações sobre o movimento dos planetas, descobriu que as órbitas dos planetas eram elípticas. A representação mais usual da órbita terrestre, nos livros didáticos e em outras obras, é feita em perspectiva, dando a impressão de uma elipse pronunciada, isto é, de grande excentricidade (focos afastados do centro). Todavia, em função de sua pequena excentricidade (focos próximos ao centro), a elipse orbital da Terra é quase uma circunferência. Nessa órbita, quando a Terra se encontra mais próxima ao Sol, recebe muito mais energia do que quando se encontra na posição mais distante? 

Importância da escala espacial 

Muitos acreditam que as estações do ano são determinadas pelas variações da distância Terra-Sol ao longo da órbita desse planeta. Assim, na época em que a Terra se encontrasse mais próxima ao Sol seria verão e, quando mais distante, inverno. Ora, a maior e menor distância Terra-Sol correspondem respectivamente a 152 e 147 milhões de quilômetros aproximadamente. Utilizando a escala espacial e reduzindo essas distâncias para 152 e 147 cm, de modo a poder compará-las visualmente, nota-se que a diferença entre elas é relativamente muito pequena, insuficiente para determinar as estações do ano. Outro argumento incontestável contra essa crença é o fato de que, tanto quando se encontra mais próxima ao Sol (posição denominada de periélio) como quando se encontra mais distante (posição denominada de afélio), a Terra convive com as duas estações, verão e inverno, uma vez que o ciclo das estações não é sincrônico entre os hemisférios terrestres. Imagine-se os primeiros dias de janeiro, época em que a Terra está mais próxima ao Sol: essa época corresponde ao início do verão para o Hemisfério Sul e ao início do inverno para o Hemisfério Norte. Portanto, a influência que a variação da distância Terra-Sol possa exercer é amplamente superada por outros fatores. 

Relações com o clima 

A forma quase esférica da Terra determina ângulos de incidência diferentes dos raios solares. Na faixa equatorial os raios solares são pouco inclinados em relação à superfície terrestre, isto é, próximos à perpendicular e, excepcionalmente, perpendiculares, enquanto nas regiões polares esses raios são muito inclinados. Essa diferença de inclinação resulta em diferenças de aquecimento na superfície. A inclinação do eixo de rotação da Terra em relação ao plano de sua órbita faz com que um dos hemisférios terrestres seja ora mais ora menos iluminado pelo Sol em relação ao outro ao longo da órbita de translação. Essa variação se dá tanto no que tange à extensão iluminada quanto à intensidade de luz (energia) e determina as estações do ano. As situações de igual iluminação dos hemisférios são exceções e acontecem no início da primavera e do outono. A inclinação do eixo de rotação, associada à forma da Terra, determinam, portanto, variações no aquecimento tanto ao longo do ano para qualquer latitude quanto no mesmo instante se consideradas diferentes latitudes. Se o eixo de rotação fosse perpendicular ao plano da órbita, as estações do ano não ocorreriam porque os hemisférios receberiam a mesma quantidade de luz e calor durante o ano todo. As variações no aquecimento determinadas pela forma da Terra e pela inclinação do eixo de rotação resultam em diferentes temperaturas na superfície terrestre e são responsáveis pelas correntes atmosféricas. Estas, por sua vez, transportam vapor d'água de um lugar para o outro, sendo determinantes para a distribuição das nuvens e da precipitação no planeta. As correntes atmosféricas superficiais (ventos), por sua vez, dão origem às correntes marinhas de superfície. Do ponto de vista da previsão, é mais fácil antecipar o clima do que as condições meteorológicas, porque estas se referem a um período de tempo muito menor e estão sujeitas a variações determinadas pelo comportamento e características das massas de ar, extremamente variáveis. Embora não sejam infalíveis, as previsões meteorológicas tiveram um grande avanço com o auxílio de satélites artificiais, para a coleta de informações sobre as correntes atmosféricas, e dos supercomputadores para o processamento dessas informações.

Bibliografia

BRODY, D.E.; BRODY, A.R. As sete maiores descobertas científicas da história.  São Paulo: Cia. das Letras, 1999. p. 29-80.

CANIATO, R.  A terra em que vivemos.  Projeto de Ciência Integrada, vol. 1. Campinas: Papirus, 1984.
1 Professor doutor do IG/Unicamp e pesquisador do Formar Ciências.

CUNHA, C.A.L.; NEGRÃO, O.B.M. Viagem ao redor do Sol, 10/2000. In: Geologia – Série Ciência Hoje na Escola. São Paulo: Global/SBPC, p. 67-70.

FARIA, R.P.  Visão para o universo – uma iniciação à Astronomia. São Paulo: Atica, 1996.

FRACALANZA, H.; AMARAL, I. A.; GOUVEIA, M. S. F. O ensino de ciências no primeiro grau.  São Paulo: Atual, 1987. p. 61-99.

 MENDONÇA, F.A.; DANNI-OLIVEIRA, I.M. Climatologia - Noções básicas e climas do Brasil.  São Paulo: Oficina de textos, 2007.

VESENTINI, J.W. Sol todo poderoso.  Nova Escola, n.116, out./1998.  WEINER, J. O planeta Terra.  São Paulo: Martins Fontes, 1986. p. 90-145.

Fonte do Texto: Unicamp

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

SAIU O EDITAL DO SISU: SÃO 228 MIL VAGAS EM 131 INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) vai ofertar, na primeira edição de 2016, 228 mil vagas em 131 instituições públicas de educação superior. As inscrições serão abertas no dia 11 de janeiro próximo. O prazo vai até às 23h59 do dia 14. O Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação por meio do qual instituições públicas de educação superior oferecem vagas a candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
A inscrição estará, portanto, restrita ao estudante que tenha participado da edição de 2015 do Enem e tenha obtido nota na prova de redação que não seja zero. O resultado do Enem será divulgado na sexta-feira, 8, pela internet.
O candidato pode se inscrever no processo seletivo do Sisu em até duas opções de vaga e deve especificá-las, em ordem de preferência, em instituição de ensino superior participante, local de oferta, curso e turno.
O sistema indicará as notas de corte para cada curso ao estudante, que vai poder alterar as opções de curso de acordo com a nota. Ele também terá de indicar se pretende concorrer a vagas reservadas pela Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, a Lei de Cotas; a vagas destinadas às demais políticas de ações afirmativas eventualmente adotadas pela instituição ou a vagas destinadas à ampla concorrência.
O resultado da chamada única será divulgado em 18 de janeiro próximo. Os candidatos selecionados farão a matrícula nos dias 22, 25 e 26 de janeiro. Os não selecionados terão a opção de manifestar interesse em participar da lista de espera, no período de 18 a 29 do mesmo mês.


Edital nº 36, de 29 de dezembro de 2015, da Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação, que divulga o cronograma e demais procedimentos relativos ao processo seletivo do Sisu, primeira edição de 2016, foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 30.
Mais informações na página do Sisu na internet.
Assessoria de Comunicação Social MEC
MEC divulga cronograma do Sisu



segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

IBGE ABRE 600 VAGAS EM CONCURSO: SALÁRIOS DE ATÉ R$ 8.734,88

Foram publicados, no Diário Oficial da União (DOU) de hoje (28/12/2015), dois editais de concursos públicos, para o preenchimento de 140 vagas de nível superior (edital nº 01/2015) e 460 vagas de nível médio (edital nº 02/2015) no IBGE.




Das 140 vagas, 118 são para o Rio de Janeiro e 22 para os seguintes estados: Amazonas, Amapá, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, sendo oito vagas reservadas para pessoas com deficiência e oito para candidatos negros.

Em relação às 460 vagas de nível médio, 24 são reservadas para pessoas com deficiência e 59 para candidatos negros. Essas vagas estão distribuídas por 165 municípios de 24 estados e no Distrito Federal.

A Fundação Getúlio Vargas será a organizadora dos dois concursos. As remunerações variam entre R$ 2.216,45 a R$ 4.638,01, para nível médio, em função das gratificações, e de R$ 4.352,49 a R$ 8.734,88, para nível superior, em função das gratificações e retribuições por titulação dos aprovados. Serão concedidos auxílio-alimentação, no valor de R$ 373,00, e auxílio-transporte. Poderão ser concedidos benefícios a título de assistência à saúde (médica e odontológica), opcional, ao servidor e aos seus dependentes, com valores que variam entre R$ 82,83 e R$ 167,70 por pessoa, conforme a remuneração e a idade do servidor. A jornada de trabalho será de 40 horas semanais, sendo oito horas diárias.

As inscrições poderão ser feitas de 04 a 28/01/2016, pelo site http://fgvprojetos.fgv.br/concursos/ibge, onde já estão disponíveis os dois editais na íntegra. A taxa de inscrição custa R$ 49,00, para nível médio, e R$ 69,00, para nível superior. Os editais também podem ser consultados no portal do IBGE, em www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/trabalhe_conosco.shtm.

As provas objetivas estão previstas para o dia 10 de abril de 2016 (nível superior) e 17 de abril (nível médio). O resultado final do concurso de nível médio está programado para 30 de maio de 2016, e o de nível superior para o dia 13 de junho.

As 460 vagas de nível médio são para o cargo de Técnico em Informações Geográficas e Estatísticas, para o qual haverá somente prova objetiva, com 70 questões.
Mais informações podem ser consultadas nos editais do concurso: clique aqui


sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

UFSC ABRE INSCRIÇÕES PARA CONCURSO: SALÁRIO DE ATÉ R$ 9.012,50

São oportunidades para magistério superior em 95 áreas de conhecimento. Salários variam de R$ 2.360,35 a R$ 9.012,50.

Do G1 SC
A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) abriu concurso com 118 vagas para professores em 95 áreas de conhecimento, que exigem entre níveis de graduação, especialização, mestrado e doutorado. Os salários variam de R$ 2.360,35 a R$ 9.012,50.
UFSC
Inscrições
Até 11 de janeiro de 2016
Vagas
118
Salário
De R$ 2.360,35 a R$ 9.012,50
Taxa de inscrição
R$ 48 a R$ 201
Prova
Ainda não divulgada
As inscrições podem ser feitas até o dia 11 de janeiro de 2016 somente pelo sitewww.segesp.ufsc.br/concursos no link “Docente Magistério". As taxas variam de R$ 48 para vaga professor auxiliar com 20 horas e R$ 201 para professor adjunto A/DE.
Os cargos são para carreira de magistério superior nas áreas de medicina, engenharias, fisioterapia, sociologia, letras, matemática, bioquímica, biologia, veterinária, agronomia, geografia, geologia, enfermagem, odontologia, física, direito, design, história, filosofia, ciencias contábeis, ciências econômicas e arquitetura.
As oportunidades são para os campi da UFSC em Florianópolis, Araranguá, Blumenau, Curitibanos e Joinville. 
Provas
O cronograma de provas ainda não foi disponibilizado pela organização. Segundo a UFSC, as informações referentes aos locais, dias e horários de realização de todas as atividades relativas ao concurso estarão no endereçowww.segesp.ufsc.br/concursos, no link  “Docente Magistério Superior”, com antecedência mínima de vinte dias do início da primeira prova.

Todos os concorrentes terão que passar pelas etapas de instalação dos trabalhos, entrega de documentos e sessão de apuração dos resultados, além do processo avaliativo. 
Serão feitas provas escrita, didática, apresentação oral, análise e arguição do projeto de  atividades acadêmicas e memorial descritivo, bem como exame de títulos no formato da Plataforma Lattes. Alguns cargos também têm prova prática.
Há reserva de vagas para candidatos com deficiência e candidatos negros.

Fonte: G1

Cidades com mais de 1 milhão de habitantes desde 1950...

Como fico quando ganho um livro de presente!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Vexame dos Golpistas e Vitória do Povo Brasileiro

As manifestações fajutas que aconteceram no dia 13 de dezembro, justamente no dia em que a Ditadura Militar comemora o AI-5 (Leia-se ato que regimentou a barbárie), revelaram que Cunha e seus aliados (leia-se golpistas) tiveram uma galopante derrota, dentro daquilo que apostavam a possibilidade de referendar o impeachment. Ouvi durante a semana o comentarista reacionário Merval Pereira (da CBN) comentar que a oposição apostava nas manifestações para virar o jogo e colocar toda a pressão no governo, mas o tiro saiu pela culatra. O coxinha que estava sendo regimentado pelas últimas manifestações está percebendo que não dá pra ficar do lado dos corruptos e corruptores do PSDB, DEM, Solidariedade e PPS, que já demonstraram serem os verdadeiros atrasos deste país! 

Portanto, parabéns ao povo brasileiro e à Presidenta Dilma Vana Rousseff por seu aniversário neste dia 14 de dezembro!






Imagens do Dia: Manifestação Coxinha

Golpistas assistindo o fiaaaaasco de 13/12/2015 e não acreditando no que vê...

E mais uma...


quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Imagem do Dia


Documentários

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Berlim vai ter uma ciclovia coberta com hortas e pavimento "inteligente"

Chama-se “Radbahn” e é um projecto inovador para a primeira ciclovia coberta da cidade alemã
Texto de Gonçalo Isento



Hortas urbanas e outras zonas verdes, "estações de serviço", semáforos e pavimento que gera energia. Imagina tudo isto numa ciclovia coberta com cerca de nove quilometros e no centro de Berlim.

Esta será a primeira grande ciclovia coberta com um percurso desta distância na capital alemã. O projecto— de uma equipa de oito elementos de vários países com formação em urbanismo, gestão cultual, consultadoria, relações públicas e arquitectura — pretende reaproveitar uma ciclovia já existente e dar-lhe mais condições de forma a incentivar os cidadãos a deslocarem-se de bicicleta, tornando o percurso mais rápido, seguro, sem trânsito e mais confortável.

Leia Também: Conheça as principais mudanças da população brasileira reveladas pelo IBGE

Leia Também: Melhores cidades do Brasil de acordo com o ranking da Austin Rating e Editora Três

Berlim é hoje das cidades do mundo com maior taxa de circulação de bicicletas, tendência apontada como benéfica tanto para o bem estar físico como ambiental.

nova via vai passar no centro da cidade, por baixo de um dos viadutos mais conhecidos, o U1, uma linha férrea com 120 anos de existência, sendo também uma mais-valia em dias de chuva. A via já existente é pouco utilizada devido a uma série de obstáculos que afasta os ciclistas, sendo usada maioritariamente como estacionamento automóvel.



O projecto “Radbahn” tem como objectivo aproveitar a via, fazendo dela uma rota sustentável com algumas surpresas. No projecto consta que a via irá ter mais condições de forma a garantir mais segurança e conforto aos ciclistas e menos stress devido à inexistência de trânsito automobilístico. Terá também locais onde será possível fazer uma pausa para descansar, como alguns cafés, “estações de serviço” com assistência técnica, zonas de aluguer de bicicletas, zonas verdes e até hortas urbanas.

Toda a via estará equipada com semáforos e placards informativos.

A ciclovia irá ter uma vertente tecnológica experimental. Um dos pontos fortes deste projecto é o facto de estar equipado com um pavimento que transformará o atrito provocado pelos pneus em energia para iluminar o percurso e as instalações ao longo do trajecto.


Fonte: P3 [Texto Original da Página] 

terça-feira, 24 de novembro de 2015

INSCRIÇÕES PARA CONCURSO DE PROFESSOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ABREM EM BREVE (87 VAGAS DE GEOGRAFIA) - SALÁRIOS DE ATÉ R$ 3.554,92

O calendário para o concurso público para preencher 1.178 vagas para o cargo de professor foi divulgado pela Secretaria de Estado da Educação (Sedu). As inscrições começam na próxima sexta-feira (27). O edital da seleção será publicado hoje no Diário Oficial do Estado. A remuneração para professores com graduação é de R$ 1.982,55; com pós-graduação é de R$ 2.119,28; com mestrado chega a R$ 2.743,57; e com doutorado é de R$ 3.554,92.


As inscrições serão feitas exclusivamente pela Internet no endereço eletrônico http://www.concursosfcc.com.br, das 10 horas do dia 27 de novembro até as 14 horas do dia 14 de dezembro. A taxa é de R$ 80 e deve ser paga até o último dia de inscrição. O concurso terá três etapas de caráter classificatório e eliminatório: provas objetivas, de conhecimentos básicos e específicos; prova discursiva e prova de títulos. Os exames objetivos serão realizados no dia 31 de janeiro de 2016.




O candidato que estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal – o CadÚnico -, e for membro de família de baixa renda, nos termos da regulamentação do governo federal para o Cadastro Único, terão direito à isenção de taxa de inscrição. O requerimento do benefício deverá ser feito também pelo site da inscrição, no período das 10 horas do dia 27 de novembro às 14 horas do dia 30 de novembro.

 "O objetivo é que seja realizado, anualmente, um concurso para professores. Queremos fazer quatro concursos nesta gestão, para acelerar a recomposição do quadro efetivo estadual, atraindo os melhores profissionais para a nossa rede”, destaca o secretário estadual de Educação, Haroldo Rocha.

Saiba Mais:

Remuneração
A remuneração do professor com graduação é de R$ 1.982,55, com pós-graduação é de R$ 2.119,28; com mestrado é de R$ 2.743,57; e com doutorado, R$ 3.554,92.

Inscrições
Das 10 horas do dia 27 de novembro até as 14 horas do dia 14 de dezembro, pelo site http://www.concursosfcc.com.br. A taxa custa R$ 80.

Vagas
São 1.178 oportunidades, distribuídas da seguinte maneira: Arte (41 vagas), Biologia/Ciências (72 vagas), Educação Física (30 vagas), Filosofia (14 vagas), Física (73 vagas), Geografia (87 vagas), História (39 vagas), Língua Inglesa (67 vagas), Língua Portuguesa (218 vagas), Matemática (455 vagas), Química (59 vagas) e Sociologia (23 vagas).

Provas
Serão realizadas no dia 31 de janeiro de 2016. Serão três etapas de avaliações
- See more at: http://www.sitedelinhares.com.br/noticias/geral/inscricoes-para-concurso-de-professor-do-estado-comecam-no-dia-27-prova-sera-no-dia-31-de-janeiro#sthash.gYwOZ7rJ.dpuf

Ibama abre concurso com 680 vagas e salário inicial de R$ 7.675,45

Os cargos proporcionam estabilidade, conferida pelo regime estatutário de contratação

 (Divulgação)
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Concurso Ibama) contará com o reforço de 680 concursados, em breve. O órgão solicitou a autorização do Ministério do Planejamento para oferecer 500 oportunidades de analista ambiental e 180 de analista administrativo, funções de nível superior, com inicial de R$ 7.675,45, incluindo o auxílio-alimentação, de R$
Os cargos proporcionam estabilidade, conferida pelo regime estatutário de contratação, bem como a possibilidade de promover ações a favor da biodiversidade, literalmente como “fiscal da natureza”, em alusão ao cargo dos sonhos de muitos que buscam qualidade de vida. A solicitação do concurso é analisada no Ministério do Planejamento desde 25 de maio, e ainda passará pelas áreas técnicas da pasta, devendo fazer parte do Orçamento da União em 2016, o que não impede que as seleções sejam autorizadas ainda este ano.
Portanto, quem tem afinidade com a área ambiental deve logo iniciar os estudos, podendo mesmo basear-se no conteúdo do concurso anterior, feito em 2012. Na ocasião, 108 vagas foram oferecidas para analista ambiental, 61 para analista administrativo e 300 para técnico administrativo.
As áreas de analista ambiental foram licenciamento ambiental, monitoramento, regulação, controle, fiscalização e auditoria ambiental; e gestão, proteção e controle da qualidade ambiental. As vagas foram para o Rio de Janeiro e Brasília. Já para os cargos da área administrativa, as oportunidades foram distribuídas por 18 estados, além da capital federal.
Como a disputa promete ser acirrada, a boa notícia é que, segundo levantamento das entidades que representam os servidores do Ibama, 51,6% dos funcionários estão aptos a se aposentar este ano, o que indica que mais aprovados nos concursos possam ser convocados, além da oferta inicial. A informação foi dada na reunião da nova presidente do Ibama, Marilene Ramos, com a Asibama, o Sindsep, Condisef e Ascema Nacional, em maio.
No encontro foi sinalizada de forma positiva a lotação de profissionais para a área de Tecnologia da Informação, que conta predominantemente com temporários. Foi confirmado ainda que 686 cargos estão vagos, e ainda que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) havia pedido 1.400 vagas ao Ministério do Planejamento para técnicos e analistas, a fim de suprir carências no Ibama.

Conheça as principais mudanças da população brasileira reveladas pelo IBGE

(Foto: Celso Diniz/Thinkstock)
Image copyrightThinkstock
Image captionSegundo o levantamento anual do IBGE, desigualdade vem caindo pouco a pouco no Brasil
O IBGE divulgou nesta sexta-feira a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2014 (Pnad), a principal pesquisa demográfica que realiza a cada ano – e que oferece um raio-X sobre a população brasileira.
A pesquisa abrange desde tendências na forma de os brasileiros declararem sua cor ou raça a índices de desigualdade de renda, disparidade regional de taxas de ensino e quantos brasileiros têm saneamento, televisão ou internet em casa.
Para chegar aos números abaixo, o instituto entrevistou mais de 362 mil pessoas em mais de 151 mil residências brasileiras, distribuídas por todos os Estados do país.
Confira, a seguir, dez mudanças na população apontadas pelo levantamento.

1. O Brasil continua envelhecendo

(Foto: Fernando Frazão/Ag. Brasil)Image copyrightAg. Brasil
A tendência vem sendo observada ano a ano. Em 2014, a população chegou a 203,2 milhões de pessoas, e indivíduos com mais de 60 anos representavam 13,7% do país. É um aumento de 0,7 ponto porcentual em relação a 2013.
A proporção em si não é gritante, mas o movimento vem sendo contínuo e acompanha uma redução pequena, porém também constante, do número de jovens. Enquanto o número de idosos subiu, o de pessoas com menos de 24 anos caiu 0,8 ponto porcentual, passando a representar 38% da população.
Para fins de comparação, em 2004 a população acima de 60 anos era de 9,7%.

2. Mais de 80 milhões vivem fora de sua cidade natal

A mobilidade pelo país, seja impulsionada por emprego, ensino ou outros motivos, faz com que mais de 80 milhões de brasileiros vivam fora das cidades onde nasceram, o equivalente a quase 40% da população.
Ao chegar aos 60 anos de idade, 60% dos brasileiros já não vivem em suas cidades de origem.
São Paulo é o Estado que mais tem pessoas de fora – 10,5 milhões. Já em termos proporcionais, as unidades da federação com o maior contingente de "forasteiros" são o Distrito Federal, com 49,3%, e Roraima, com 45,3% da população chegando de outros Estados.

3. Analfabetismo cai, mas ainda reflete desigualdade regional

(Foto: Leonardo Harim/TV Brasil)Image copyrightTV Brasil
De pouco em pouco, a taxa de analfabetismo continua a cair no Brasil, e passou de 8,5% em 2013 para 8,1% no ano passado. A queda vem sendo quase constante de 2001 para cá, embora tenha permanecido no mesmo patamar entre 2011 e 2013 (quando oscilou entre 8,4% e 8,5%).
A diferença entre as regiões, porém, permanece gritante neste quesito. Enquanto no Sul e Sudeste a taxa de analfabetos é de 4,4% e 4,6%, respectivamente, no Nordeste a percentagem é de 16,6%, de longe a pior situação no país.
A medição é feita entre pessoas de 15 anos de idade ou mais, e, quanto mais velho o grupo, maior o índice. Entretanto, o analfabetismo ainda assola as novas gerações, afetando 0,9% de jovens na faixa de 15 a 19 anos e 1,4% na de 20 a 24 anos.

4. Diploma superior é privilégio de apenas 13%

Quando se avalia o nível de instrução da totalidade de brasileiros acima de 25 anos, mais de metade da população (57,5%) tem no máximo o ensino médio completo, sendo que 32% não completaram o ensino fundamental. Uma graduação universitária é privilégio de apenas 13,1% das pessoas (contra 12,6% em 2013).
Os números também chamam atenção para a necessidade de se aprimorar o ensino nas escolas públicas, que são frequentadas por 76,9% dos alunos brasileiros (contra 75,7% em 2013). Mas a frequência escolar como um todo vêm aumentando, e tem seu maior patamar entre crianças de 6 a 14 anos: 98,5% nesta faixa etária estão na escola.
Quando se contempla a população como um todo, o número médio de anos de estudo escolar é de 7,7. Aqui também há disparidades regionais: o Sudeste apresenta a maior média, de 8,4 anos, enquanto Norte e Nordeste registraram o menor tempo médio na escola, 7,2 e 6,6 anos, respectivamente.

5. Aumento brusco de 'desocupados'

(Foto: Ag. Brasil)Image copyrightAg Brasil
O aumento dos índices de desemprego de refletiu nos resultados da PNAD já em 2014. O número de pessoas desocupadas aumentou 9,3% de 2013 para 2014, afetando um total de 7,3 milhões de brasileiros (o aumento equivale a 617 mil pessoas a mais nesta condição).
Isso ocorreu no país todo, e em especial no Sudeste, onde o aumento foi de 15,8%. O IBGE classifica como "desocupadas" pessoas que não estão empregadas, mas estão buscando trabalho.
A pesquisa indica dificuldades especialmente para jovens de 18 a 24 anos e pessoas que estão buscando o primeiro emprego, respectivamente 34,3% e 28,3% dos desocupados.

6. Trabalho infantil volta a subir

(Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil)Image copyrightAg. Brasil
Após sete quedas sucessivas de 2005 para cá, o número de crianças trabalhando no país voltou a aumentar. Em 2014, subiu para 554 mil o número de crianças nas idades entre 5 e 13 anos que trabalham, quase 50 mil a mais que em 2013.
No Brasil, o trabalho até os 13 anos é ilegal. Setenta mil dessas crianças têm de 5 a 9 anos, um aumento de 15,5% em relação ao ano anterior. Em 2005, porém, o número de crianças em situação de trabalho infantil era quase o triplo do número atual, chegando a 1,6 milhão.

7. Computadores em casa têm primeira queda

Depois de anos de aumento vertiginoso, o número de residências com computador teve a primeira leve queda em 2014, de 49,5% para 49,2%.
O índice ainda é impressionante quando se considera o patamar de 2001 – quando 12,6% dos domicílios tinham computadores.
Mas a interrupção na tendência de crescimento é vista como um reflexo do aumento de uso da internet no celular. A posse de aparelhos de telefonia móvel segue em franca ascensão: hoje, 136,6 milhões de brasileiros (ou 77,9% das pessoas acima de 10 anos) têm telefone celular, um crescimento de 4,9% em relação a 2013.
Outro reflexo dessa expansão é a redução de telefones fixos em casa. Entre 2001 e 2014, a proporção de domicílios com linha fixa caiu 25,5 pontos percentuais.

8. Água e luz avançam, saneamento deixa a desejar

Do total de domicílios no país, 85,4% têm abastecimento de água e 99,7% têm iluminação elétrica, mas apenas 63,5% têm rede coletora de esgoto, índice praticamente igual ao de 2013 (63,4%).
As piores médias estão no Norte (21,2%), no Nordeste (41,1%) e no Centro-Oeste (46,5%). De um ano para o outro, 1,2 milhão de casas passaram a contar com esgoto, mas esse número não acompanha o aumento geral do número de residências no país: de 2013 para 2014, o número de domicílios brasileiros aumentou em 1,9 milhão, passando a um total de 67 milhões.
Foto: ThinkstockImage copyrightThinkstock

9. Desigualdade social continua em redução gradual

Os dois extremos da sociedade brasileira – os 10% mais pobres e os 10% mais ricos em termos de renda mensal – ganharam em média R$ 256 por mês, no grupo de menores salários, contra R$ 7.154, na fatia de maiores ganhos, em 2014.
O valor recebido pelo primeiro grupo representa apenas 1,4% de todos os rendimentos gerados por trabalho no país, enquanto os 10% mais ricos concentraram 40,3% do total de rendimento.
A renda por gênero continua a apresentar grande disparidade: no ano passado, as mulheres receberam em média 74,5% dos salários dos homens – índice pouco melhor que em 2013, quando essa proporção era de 73,5%.
De uma forma geral, porém, a desigualdade no país continua apresentando uma melhora gradual – o índice de Gini, que mede a distribuição de renda, continua sua trajetória de queda, e passou de 0,495 para 0,490 (quanto mais próximo de zero, melhor).

10. Pretos e pardos têm novo aumento proporcional

O número de pessoas que se declara de cor preta ou parda continua aumentando, e hoje soma 53,6% da população brasileira, contra 48,17% em 2004.
Naquele ano, 51,24% dos brasileiros se declararam branco, mas hoje esse número baixou para 45,5%. O contingente de brancos continua a ser o maior grupo individual, mas o número de pessoas que se consideram pardas chegou ao mesmo patamar, com 45%.
Já 8,6% se declararam negras, contra 5,92% em 2004. O aumento do reconhecimento da cor é visto como reflexo de movimentos de maior conscientização e orgulho da cor e de políticas públicas para valorizar afrodescendentes.
Compartilhe esta Notícia no Google+:

Postagens populares

BIBLIOTECAS

Copyright @ 2013 Prof. Ricardo Töws . Designed by Templateism | Love for The Globe Press